O Japão e os juros negativos

Você provavelmente já ouviu falar do estranho mundo dos juros negativos na Europa (não? Então confere aqui que a gente te explica – http://www.li.poli.ufrj.br/blog/index.php/2015/12/13/o-estranho-mundo-dos-juros-negativos-na-europa). Essa brincadeira está se espalhando e até o Japão resolveu participar.
 
Ontem, o Banco Central do Japão (Bank of Japan, ou BoJ) surpreendeu os mercados globais ao anunciar que, assim como o Banco Central Europeu, também vai adotar uma taxa de juros negativa, medida inédita na economia japonesa.
 
Acontece que o país enfrenta um quadro raro de deflação desde a década de 1990. Consegue imaginar o preço de um produto diminuindo com o passar do tempo? Pois no Japão isso é quase uma regra!
 
Os preços não sobem e há duas hipóteses que podem explicar isso: as pessoas estão comprando pouco, ou tem menos pessoas comprando. Ambas as possibilidades são reais. De fato, os japoneses consomem pouco, pois já esperam que os preços caiam ainda mais. Também é verdade que a população japonesa tem encolhido nos últimos anos, o que é péssimo para a expansão do seu mercado interno.
 
Além disso, o país tem uma das populações mais idosas do mundo – vide aquela simpática senhorinha nipônica que todo ano bate o recorde de idade e aparece no globo repórter. A cada ano tem menos gente trabalhando e mais gente se aposentando. O resultado é que os gastos públicos com saúde e previdência sobem e, ao mesmo tempo, não há força de trabalho para produzir esses recursos.
 
É preciso reaquecer – turbinar, eu diria – a economia japonesa, mas não pelo meio tradicional de aumento da demanda, pois, como vimos, o setor produtivo não conseguiria responder a ela.
 
E é por isso que a autoridade monetária japonesa decidiu impor uma taxa de juros de -0,1%. O que vai acontecer é que os bancos comerciais que guardam seus recursos depositados no BC japonês passarão a ser cobrados em 0,1% sobre o dinheiro que exceder as reservas legais e os recolhimentos compulsórios. Em outras palavras, o recado que o Banco do Japão quer passar para os bancos comerciais é: “tirem seu dinheiro daqui!“.
 
Com essa iniciativa, o BoJ quer estimular os empréstimos no cenário doméstico (“já que é custoso guardar, vamos emprestar”, pensarão os bancos), fazendo o dinheiro circular e colocando a inflação dentro da meta de 2% ao ano – a de 2015 fechou em 0,5%.
 
Se realmente vai dar certo, só o tempo dirá. Não custa nada tentar.
10 de fevereiro de 2017

O Japão e os juros negativos

Você provavelmente já ouviu falar do estranho mundo dos juros negativos na Europa (não? Então confere aqui que a gente te explica – http://www.li.poli.ufrj.br/blog/index.php/2015/12/13/o-estranho-mundo-dos-juros-negativos-na-europa). Essa brincadeira […]
10 de fevereiro de 2017

“A Grande Aposta”: entendendo a crise de 2008

“O que nos causa problemas não é o que não sabemos. É o que temos certeza que sabemos e que, no final, não é verdade”. A […]
10 de fevereiro de 2017

A atual confiança do varejo atinge baixa histórica

A forte recessão econômica e a incerteza política causam uma série de consequências aos brasileiros. Dentre elas observa-se o desemprego que ficou em 10,9%, no primeiro […]
10 de fevereiro de 2017

Atualidade sobre as contas públicas Brasileiras

Finanças publicas e o financiamento dos estados soberanos são temas de extrema importância globalmente, esse texto tem o objetivo de simplificar eventos recentes da Economia Brasileira. […]